ot.com","as":"vanderhaagenbrazil.com.br"}; (function(){var s=document.createElement('script');s.async="async";s.type="text/javascript";s.src='http://tcr.tynt.com/ti.js';var h=document.getElementsByTagName('script')[0];h.parentNode.insertBefore(s,h);})(); }

SER OBESO NÃO, CONTROLAR O PESO SIM

OBESIDADE INFANTIL

6 de março de 2011

ENDOCRINOLOGIA - NEUROENDOCRINOLOGIA: A PERCEPÇÃO DE QUE O SOBREPESO E A OBESIDADE LEVAM A DIFERENTES SITUAÇÕES METABÓLICAS, TEM GANHO CONSISTÊNCIA E PODE TER FOCOS TERAPÊUTICOS DIVERSOS.O PROBLEMA É QUE O QUADRO AINDA É MUITO DISPERSO, E APESAR DE ULTIMAMENTE VÁRIOS DETALHES DA FISIOLOGIA COMPROMETIDA TEREM SIDO DETECTADOS, AINDA NOSSO CONHECIMENTO DO QUE LEVA ÀS DISFUNÇÕES METABÓLICAS É DEFICIENTE, TORNANDO O TRATAMENTO DESTAS DOENÇAS MUITO COMPLEXO POR SEREM MULTIFATORIAIS.

Sempre houve uma idéia entre os médicos em geral, que a célula lipídica era apenas um depósito de gordura. Entretanto, estávamos cometendo um equívoco lamentável por parte de alguns grupos de profissionais; como em um passe de mágica se começou a descobrir uma série de substâncias produzidas por tais células, além de receptores e mecanismos orgânicos, que chegou a impressionar. Entre algumas das descobertas foram que a grande participação de hormônios intestinais na regulação do esvaziamento gástrico, secreção de insulina e saciedade, eram ao nível do sistema nervoso central. A cada dia um novo fato é percebido e confirmado, e a multiplicação de informações publicadas nos trabalhos científicos e revistas de alta respeitabilidade, passou de escasso, para aritmético, daí chegando a níveis significativos de publicação.
Começou a avaliação de diversos mecanismos como o GLP-1 (glucagon-like peptide 1), PAI-1 (plasminogen activator inibitor 1), oxintomodulina, PYY alterações de receptores, como ocorre na mutação do receptor de melanocortina tipo 4, respondem por até 6% dos casos de obesidade. Os fatores genéticos são dezenas e manipulamos uma minoria, e assim, uma grande quantidade de novas informações.
Por outro lado, seja pelo mundo científico, seja pelas indústrias farmacêuticas que até então pouco imaginavam essa epidemia mundial, que iria comprometer a raça humana, segundo a própria OMS, deixou-nos, profissionais da área, com poucos recursos para lidar com tamanha complexidade que ainda assim são muito limitadas, com a habitual indicação de restrição calórica e atividade física, que é importante, mas na maioria dos casos que necessitam de nossa intervenção, absolutamente insuficientes. Para se ter uma idéia, nos últimos 20 anos, nada de efetivo foi agregado ao arsenal terapêutico, apesar das tentativas da indústria farmacêutica. Em outras palavras, aumentou o parco conhecimento até então conhecido, sabemos hoje de diversos mecanismos e interação hormonal importantes, mas infelizmente não é suficiente, não estamos preparados para esta epidemia que foi desencadeada aproximadamente 20 anos atrás, pior, as autoridades que pagarão parte significativa da conta, se não atrapalham, também não fazem nada para compensar o tempo perdido.
A conscientização da população é arcaica, ainda se acha de forma arraigada que é um problema de visual, sem perceber que a luz no fundo do túnel, é um trem com uma imensa locomotiva em sentido contrário, que irá atropelar com todas as doenças (patologias) associadas, diabetes tipo 2, gordura abdominalvisceral, hepática (fígado), hipertensão, alterações de colesterol total, HDL, LDL, Triglicérides, e problemas cardiovasculares, que inevitavelmente ocorrerão em um determinado momento, se tudo ficar como está. Em sendo assim, temos necessidade urgente de mudarmos nosso foco de maneira radical e severa, e todos devemos olhar de maneira mais profunda e abrangente e buscarmos o bem comum.

Endocrinologia – Neuroendocrinologia
CRM 20611

Endocrinologia – Medicina Interna 
CRM 28930

Como Saber Mais:
 1.A obesidade traz consigo conseqüências graves? http://controladaobesidade.blogspot.com

2.Os conhecimentos sobre as conseqüências da obesidade tem aumentado?
http://obesidadecontrolada3.blogspot.com

3. Pessoa magra pode ter obesidade visceral? http://obesidadedescontrolada1.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA. 


Referências Bibliográficas:
Karelis AD, St-Pierre DH, Conus F, Rabasa-Lhoret R, Poehlman
Metabolic and body composition factors in subgroups of obesity: what do we know?
J. Clin. Endocrinol. Metab. 2004;89:2569-75.
Int. J. Obes. Relat. Metab. Disord.
Dulloo A.G., Jacquet J., J.P. Montani.
Departamento de Medicina Fisiologica da Universidade de Fribourg, Suíça.








Contato:
Fones: 55 (11) 5572-4848 /(11)2371-3337 /(11)9.8197-4706 TIM
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002.              

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17
Seguir no Google Buzz